São celebradas ao declinar do dia, para "agradecer o que nele temos recebido ou o bem que fizemos" (S. Basílio).  Nesta Hora relembramos nossa Redenção por meio da oração que elevamos como "incenso na presença do Senhor" (Sl 140) e nos unimos ao sacrifício vespertino que Jesus entregou aos Apóstolos, enquanto ceavam juntos, ao instituir a Santa Eucaristia. Lembramos também a hora em que, "estendendo as mãos, Jesus se entregou ao Pai pela salvação do mundo inteiro".

E focalizamos nosso olhar e nossa esperança naquela Luz que não conhece ocaso: "Rogamos pela vinda gloriosa de Cristo, o qual nos trará a graça da luz eterna" (S. Cipriano).

Invocamos a "Luz radiante, da glória do Pai celeste: Jesus Cristo!

Chegados ao fim do dia, e contemplando a luz da tarde, cantando o Pai e o Filho e o Espírito Santo de Deus..."

Elementos do LOUVOR  da  TARDE:

As Vésperas seguem o mesmo esquema do Louvor da Manhã.

Diferentemente, a  salmodia consta de dois salmos  (Os salmos expressam as dores e esperanças, a miséria e a confiança dos seres humanos de qualquer época ou nação, sobretudo a fé em Deus, e cantam a revelação e a redenção) adequados a esta Hora e de um Cântico tirado das Cartas dos Apóstolos ou do Apocalipse.Depois das aclamações é entoado o Cântico da Virgem Maria ou Magnificat.  E seguem as intercessões e a oração conclusiva.